Morreu Jeanne Moreau, actriz nocturna, actriz au noir


Moreau foi capa da revista Time, em Março de 1965, no pico de um certo estrelato em que é solicitada por Hollywood para filmar não só Mademoiselle, mas também O Processo (1962), o seu primeiro filme de três com Welles (As Badaladas da Meia-Noite, de 1965, e História Imortal, de 1968 e que tem como pano-de-fundo Macau, então território português). É também por essa altura que filma com Antonioni (A Noite, 1961) ou com Buñuel (Diário de Uma Criada de Quarto, de 1964), passando as décadas seguintes com Elia Kazan (O Grande Magnate, 1976), Rainer Werner Fassbinder (Querelle - Um Pacto com o diabo, de 1982, o último filme do cineasta) ou com Wim Wenders em Até ao Fim do Mundo (1991). Filmou ainda com Roger Vadim em As Ligações Perigosas (1959) ou com Jacques Demy em A Grande Pecadora? (1963) e Malle considerava-se responsável pelo seu "lançamento" em Os Amantes.

Mensagens populares