Juízes soltam pedófilo e censuram a criança

Um homem de 40 anos entrou no Tribunal de Santo Tirso acusado pelo Ministério Público de violar a enteada, menina de apenas 12 anos, e saiu em liberdade – com pena suspensa durante quatro anos – porque o colectivo de juízes entendeu que a a criança consentiu a relação sexual.

A pena aplicada ao pedófilo foi atenuada porque os magistrados chegaram à conclusão de que a menor não sofreu sequelas.

O crime ocorreu em 2009, na área do Grande Porto, mas só recentemente foi conhecida a sentença. De acordo com a acusação, o arguido obrigou a filha da namorada a manter relações sexuais na casa daquela, sem preservativo – e sempre sob a ameaça constante de agressões. A vítima seria aliciada com a promessa de bens materiais.

O tribunal entendeu que a vítima mentiu não só quanto ao número de vezes em que terá sido alvo de abuso, mas também ao dizer que tinha sido agredida e aliciada.

Só foi dado como provado o abuso sexual, praticado com o consentimento e a vontade da menor, dizem os juízes. Independentemente da idade da vítima, não condenam o arguido a prisão efectiva por considerarem que a menor consentiu tudo. correiodamanha.pt

Nota: 12 anos?! Consentiu tudo?! Não sofreu sequelas?! Sem preservativo?! (estes magistrados da vergonha e sem vergonha são os tais da aposentações "douradas")

Nota 2: quando leio estas coisas (frequentes neste lugar, neste sítio, de perversos e corruptos) concluo que até a união ibérica, que a Espanha quer, é preferível a este estado nojento em que o local se encontra.

Mensagens populares